protocolos de defesa contra crimes de gênero

trecho da peça “a casa dos homens” do coletivo 2a opinião lido na reunião de 21.05 do núcleo de gêneros do calc.

PROTOCOLOS DE DEFESA CONTRA CRIMES DE GÊNERO – CENA EXPERIMENTAL

(Em cena O Urso, A Mulher. Barulho de máquina de escrever, o espaço é cheio de arranjos de festa infantil. Mulher entra e senta. Há uma mesa que a separa do Urso, também sentado.)

URSO

Boa tarde.

MULHER

Boa tarde… Sabe que eu sonhei com você? Sonhei com você essa semana…

URSO

Foi?

MULHER

É um pouco constrangedor, eu sonhei que você era minha mãe…

URSO

Eu sua mãe? Deus me livre… (Ambos riem constrangidos. Tempo) Pode começar…

MULHER

Bem… Como eu já falei… Eu estava andando na rua com um lenço vermelho, lindo. Eu ia encontrar meu namorado, acho que ele ia me pedir em casamento. Mas o dia não estava lá de muitos amigos. Foi um dia difícil. Foi um dia desses que acorda sem sol nem chuva. Uma espécie de dia sem gosto…

URSO

Prossiga.

MULHER

…Eu havia bebido tanto na noite anterior que estava me sentindo por dentro uma explosão, você compreende? Eu não conseguia me concentrar em nada porque minha mente estava absolutamente volátil e fazia associações livres à revelia de minhas escolhas mentais. Então eu estava um pouco perdida, mas estava feliz porque ia encontrar meu namorado e acho, é quase certo, que ele ia me pedir em casamento e então ia mudar de vez a minha perspectiva de vida. Por exemplo, eu provavelmente ao me tornar uma esposa não sucumbiria tão facilmente à sedução do álcool. E por consequência não acordaria tão perdida e explosiva e com as faculdades mentais abaladas pelas ideias muito livres. Ideias muito livres são como radicais livres… Os radicais livres do corpo, compreendem? Os radicais livres possuem elétrons muito soltos, muito sem cabresto, muito sem educação… E então eles nos fazem ficar doentes. As ideias livres são desse jeito…

URSO

Você pode tentar ser um pouco mais objetiva… (Procura o nome dela e não encontra) É…

(Desiste de falar o nome dela) Você pode ser um pouco mais objetiva?

MULHER

Claro… Então eu estava andando na rua com um lenço vermelho e vieram uns homens vestidos de preto me puseram em um camburão, me algemaram, puxaram meus cabelos, apertaram meus peitos, apertaram minhas pernas, me violentaram, deixaram-me nua em uma sala fria cheia de ratos e baratas durante quatro ou cinco ou doze horas ou seis dias, me violentaram novamente. Agora eu estou aqui.

URSO

E você quer dar continuidade ao processo?

MULHER

Eu queria saber o que isso significa, isso de dar continuidade ao processo.

URSO

Isso significa, meu bem… Isso significa que a gente vai precisar de você aqui, lado a lado com a corporação, tá claro? Você precisa vir aqui semanalmente para fazer reconhecimentos, para nos dar mais indicações… Se for o caso, se você conseguir lembrar mais alguma coisa, também é importante que você venha nos falar… Acho que deve ter coisas aí que você não está conseguindo organizar direito, isso precisa ser apurado. Outra coisa também é você nos dizer se tinham câmeras no local, em alguma loja, se o porteiro do seu prédio viu alguma coisa, se seus amigos te conhecem há muito tempo, se você tem esses costumes de ficar na rua todo tempo… Na rua, entende?

MULHER

Entendo…

URSO

Então, mas a gente precisa que alguém fale, não você… Alguém que nos garanta que você não tem esses hábitos, está claro? Por que aí facilita o nosso trabalho… A gente vai chamar aqui então algumas testemunhas, não sei, alguém em que você confie, com quem normalmente goste de conversar, uma amiga, uma colega, uma irmã, uma avó, uma mãe…

MULHER

Eu vou chamar uma colega… (Sai, volta, agora é ela quem faz as perguntas para o Urso). Boa tarde.

URSO

Boa tarde, eu sonhei com você essa semana… É um pouco constrangedor.

MULHER

Você sonhou que eu era sua mãe, não foi?

URSO

Foi.

MULHER

“Deus me livre”… Nós dois rimos um pouco constrangidos… (Ambos riem). Faz parte do protocolo… Você veio dar continuidade ao processo, né?

URSO

Eu quero saber o que isso significa…

MULHER

(Irônica, impaciente) Você é um urso. Você é um urso e quer saber o que isso, dar continuidade ao processo, significa?

URSO

Não, eu não sou um urso (Tira os aparatos de urso), eu estou vestido de urso, mas eu não sou um urso.

MULHER

Agora sim. Então, dar continuidade ao processo “significa que a gente vai precisar de você aqui, lado a lado com a corporação, tá claro? Você precisa vir aqui semanalmente para fazer reconhecimentos, para nos dar mais indicações… Se for o caso, se você conseguir lembrar mais alguma coisa, também é importante que você venha nos falar… Acho que deve ter coisas aí que você não está conseguindo organizar direito, isso precisa ser apurado. Outra coisa também é você nos dizer se tinham câmeras no local, em alguma loja, se o porteiro do seu prédio viu alguma coisa, se seus amigos te conhecem há muito tempo, se você costuma ter esses costumes de ficar na rua todo tempo… Na rua, entende?”

URSO

Entendo. Eu costumo.

MULHER

O que?

URSO

Ficar na rua o tempo todo.

MULHER

Ah não! Aí não! “A bo-a mu-lher e-di-fi-ca o lar!”… Está claro? Lar não é rua, casa é porta adentra, é cozinha, banheiro, cama, mesa e banho… Empregada doméstica, filhos, marido… Como é que você pretende evitar uma agressão se costuma ficar na rua o tempo todo?! Desculpa, eu fico indignada… Essa questão da violência me deixa indignada.

URSO

Mas eu não sou uma mulher.

MULHER

Não, claro que não, você é um urso.

URSO

Não, eu não sou um urso. Aconteceu de eu vir aqui vestido de urso, mas eu não sou um urso.

Eu sou um homem.

MULHER

Mas fica difícil, desse jeito… Seu… (Procura o nome dele, desiste de procurar e falar o nome dele)… Vestido desse jeito não parece que você é um homem… Aí, o senhor me desculpe, eu até entendo as pessoas se sentirem um pouco ameaçadas quando você passa… Pelo menos quando você passa vestido desse jeito. Convenhamos, soa mesmo perigoso um homem se vestir de urso e andar por aí assim…

URSO

Se eu fosse um urso de verdade seria menos assustador, não é?

MULHER

Eu arrisco dizer que sim.

(Urso põe novamente os elementos da fantasia)

MULHER

Bom, continuando. Eu analisei o seu caso e, conversando com meus superiores inclusive, cheguei à conclusão de que não é por aqui que você vai poder encaminhar o andamento dele…

URSO

Não?

MULHER

Não, porque você não é uma mulher… Era justamente do que estávamos falando. Você é um urso.

URSO

Não, eu sou um homem vestido de urso, já mostrei… (Com intenção de quem vai tirar novamente os elementos da fantasia. Mulher o impede).

MULHER

Não, vamos evitar mais constrangimentos. Olha, a delegacia da mulher é para a mulher… A gente atende aqui mulheres que sofreram alguns tipos de crime como, por exemplo, abuso sexual, violência doméstica, assédio… Mulher, entendeu? Coisas de mulher. Aqui é a sessão feminina da loja de departamentos, é o caderno de fofocas do jornal de domingo, tá claro? É coisa pra mulher… ó: florzinha, joaninha, solzinho, menininha… tudo inho e inha. Pra mulher…

E você não é mulher.

URSO

Então eu acho que eu me confundi.

MULHER

Acontece…

URSO

Eu tinha certeza que era por aqui que eu poderia fazer as denúncias e o processo…

MULHER

Mas quem colocou isso na sua cabeça?

URSO

As pessoas que me machucaram… Eu desconfio que eles me agrediram por que naquele dia eu estava vestido de mulher… De algum jeito eu era ali uma mulher. Eu era minha mãe, eu era minha irmã, minha avó… E com certeza eles ficaram com raiva de mim porque eu estava vestido de mulher. De algum jeito me bateram porque eu era uma mulher. E enquanto me batiam tornavam-me ainda mais mulher, e enquanto me violentavam, chamavam-me por nomes no diminutivo como florzinha, joaninha, solzinho, menininha…

MULHER

Olhe, eu vou lhe dar um conselho… Na dúvida, é mais seguro sair vestido de urso.

(Fica só o barulho da máquina de escrever)

Publicado em núcleo de gênero | Deixar um comentário

kenneth angers – fireworks

filme passado no núcleo de gêneros do calc no dia 21.05.

Fireworks (Kenneth Anger, 1947)

Publicado em núcleo de gênero | Deixar um comentário

relatoria do núcleo de gênero:

[terça-feira – 30.abril – 12h30]

o que fizemos:

lemos e discutimos simone de beauvoir – pedaço d’o segundo sexo.
lemos cena da peça ‘bom dia ruína’.
pensamos numa intervenção provocativa com o mote “cis-viado” – com lambe ou estencil (cis é o oposto de trans).

sugestões:

[filme] faces – cassavettes
[filme] outroquebiavailembrar – cassavettes
[filme] cidade das mulheres – fellini
[filme] mulheres perfeitas – comercial (com nicole kidmann)
[texto] construção da masculinidade – daniel welzer lang.
[tema] feminismo no funk – my pussy é poder [mestrado / sherazade do sbt]
+ texto em resposta.
[ação] venha na próxima!

Publicado em núcleo de gênero, relatorias | Deixar um comentário

esse é o novo blog do calc

para acessar os antigos:
2007 – 2009
2010 – 2012

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário